Reforma e Construção 21/06/2018  

Conheça as funções da sapata de concreto e seus diferentes tipos

As sapatas são dimensionadas para que as tensões de tração que atuam sobre a fundação sejam resistidas pela armadura, e não pelo concreto. Fonte: Construindo Decor.

A sapata de concreto é o elemento da construção responsável por garantir sua resistência e durabilidade. Ela é a base, abaixo da superfície, suficientemente forte para absorver as cargas emitidas pela edificação e distribuí-las no solo, funcionando como um alicerce.
Quer saber mais sobre suas funções e tipos? Confira aqui!

Entendendo as fundações 

Para que uma obra permaneça no lugar sem sofrer instabilidades e rupturas, é preciso criar um alicerce, isto é, uma base abaixo da superfície que seja suficientemente forte para absorver as cargas emitidas pela edificação e distribuí-las no solo.

É essa estrutura que suporta todas as tensões e garante a segurança dos usuários ou moradores de uma construção. Para que isso aconteça corretamente, o próprio solo precisa ser resistente e rígido. Logo, é muito importante sondar as características do terreno para que não surjam deformações comprometedoras na edificação finalizada.

Existem dois tipos de fundações:

  1. Fundação superficial (com profundidade de escavação inferior a 3 metros): a carga é transmitida para o solo principalmente pelas pressões distribuídas sob a base da fundação. É utilizada em cargas mais leves, como residências, ou quando o terreno é bem firme. Exemplos: viga de fundação, radier, bloco de fundação e a própria sapata;
  2. Fundação profunda (com profundidade de escavação superior a 3 metros): a carga é transmitida para o solo pela base, pela superfície lateral ou por uma combinação das duas. É usada em cargas mais pesadas, como obras de grande porte e edifícios altos que precisam suportar uma ação mais considerável do vento. Exemplos: estacas, tubulões e caixões.

Sapata de concreto: características 

Indicadas para áreas de solo estável e de alta resistência em suas camadas superficiais, as sapatas são elementos da fundação executadas com concreto armado. Esse concreto recebe em seu interior barras de aço ou armaduras que resistem aos esforços de tração, flexão e torção. É a armadura, e não o concreto, que absorve as tensões e as transfere para o terreno.

Quando projetadas de modo correto, as sapatas suportam cargas mais elevadas em comparação às vigas, blocos e radiers. Com baixo custo de produção, elas também são bem versáteis e podem ter uma base em planta quadrada, retangular ou trapezoidal, algo que facilita o apoio de pilares com formatos não convencionais. Além disso, são facilmente executadas, pois dispensam a presença de peças e equipamentos especiais de escavação no canteiro.

Todas essas vantagens vêm acompanhadas de alguns cuidados que precisam ser tomados. Não só as sapatas devem estar sempre niveladas, mas uma camada de concreto magro também tem de ser aplicada sobre a área escavada para evitar que a umidade do solo ataque a armadura e comprometa a estrutura. Algo que também ajuda nesse sentido é colocar uma camada de argamassa com impermeabilizante sobre a fundação já pronta.

Tipos de sapata de concreto 

As sapatas isoladas são o tipo mais usado na construção civil.

 

Basicamente, as sapatas se dividem em quatro tipos:

  1. Sapata isolada: é o tipo de fundação superficial mais simples e a mais usada na construção civil. Essa sapata é dimensionada para suportar e transmitir os esforços de apenas um pilar ou coluna, na maioria das vezes;
  2. Sapata corrida: suporta cargas que vêm de elementos contínuos com cargas distribuídas linearmente, como muros, paredes e pilares ao longo de um mesmo alinhamento. É normalmente executada com concreto ciclópico (concreto com adição de pedras de mão);
  3. Sapata associada: quando duas ou mais sapatas isoladas ficam próximas demais por falta de espaço ou por uma questão estrutural, uma sapata associada é criada para evitar que as bases se sobreponham e atrapalhem a construção. Por isso, ela deve ser rígida o bastante para receber a carga dos pilares de cada uma das sapatas isoladas;
  4. Sapata alavancada: é usada quando a base da sapata não coincide com o centro de gravidade do seu pilar, seja porque está perto de divisas de terreno ou por outras condições que representam um obstáculo. Assim, uma viga é criada entre duas sapatas para transferir parte dos esforços e equilibrar o conjunto, chamada viga alavanca.

Os responsáveis por uma construção devem ter atenção na hora de definir a melhor opção de sapata de concreto. Afinal, a segurança da edificação deve ser priorizada sempre. Gostou do artigo? Deixe seu comentário!