Cimento 9/07/2018  

Conheça a trabalhabilidade e outras propriedades do concreto fresco

Ainda em seu estado fresco, alguns fatores como consistência, plasticidade e trabalhabilidade podem influenciar o concreto final. Fonte: Shutterstock

Para produzir concreto, basta misturar nas devidas proporções um aglomerante (cimento), um agregado miúdo (areia), um agregado graúdo (brita) e água, e, em alguns casos, aditivos químicos especiais. O resultado é uma pasta que pode ser usada de várias formas em uma obra e que apresenta diferentes características, como consistência, trabalhabilidade e plasticidade. Continue a leitura para compreender cada uma delas.

O concreto em seu estado fresco 

Nas primeiras horas, após o preparo do concreto, a mistura consegue adquirir o formato desejado pelo profissional técnico da construção. Ela permanecerá em seu estado fresco até o início da pega do aglomerante, que é quando começam as reações químicas com a água e a pasta se solidifica. Ao final dessa etapa, considera-se que o concreto está em seu estado endurecido. Depois de alguns dias, ele ganha resistência mecânica e transforma-se em um material monolítico com as mesmas características de uma rocha.

Para obter um concreto de boa qualidade, é preciso executar corretamente a dosagem dos componentes, o transporte até a obra, o lançamento, o adensamento e a cura. Durante todo esse processo, a massa fresca simboliza uma fase transitória, mas que tem uma influência enorme nas propriedades do concreto endurecido, como durabilidade e impermeabilidade.

Consistência

De acordo com o livro Materiais de Construção, a consistência está relacionada com o maior ou menor grau de fluidez da massa fresca. Essa propriedade depende principalmente do teor de água no concreto e confere a ele facilidades na hora de ser moldado e de deslizar entre os ferros da armadura.

Para determinar a consistência, há um procedimento simples conhecido como Slump Test. Um tronco de cone é molhado internamente e preenchido com três camadas de concreto igualmente adensadas, com 25 golpes por camada. Em seguida, o molde é retirado lentamente para que se possa medir a diferença entre a altura do cone e a altura da massa.

Se esse resultado ficar entre 20 cm e 25 cm, há excesso de água e o concreto está inadequado para qualquer tipo de uso, devendo ser corrigido. Porém, se a diferença estiver no intervalo de 2 cm a 10 cm, a mistura pode ser utilizada em vigas, pilares e paredes, por exemplo.

Um dos métodos mais utilizados para determinar a consistência é o ensaio de abatimento do concreto, também conhecido como slump test. Foto: Clube do Concreto

Trabalhabilidade 

A trabalhabilidade determina a facilidade com a qual o concreto fresco pode ser manipulado com perda mínima de homogeneidade. Existem vários fatores que afetam essa propriedade, como o traço do concreto, sua consistência, o uso de aditivos e os métodos de transporte, lançamento e adensamento, além das próprias características da peça que será criada.

Por isso, a trabalhabilidade não é algo simples de ser definido. Uma massa com determinada consistência pode apresentar excelente trabalhabilidade quando aplicada em um piso, mas ser péssima de manipular em pilares densamente armados, por exemplo. Da mesma forma, um concreto que permite perfeito adensamento com vibração, provavelmente, não será moldado satisfatoriamente se o adensamento for manual.

Plasticidade 

Dizemos que um concreto tem boa plasticidade quando ele é moldado sem dificuldade, ou seja, sem se romper. Esse atributo depende da consistência da mistura e da forte coesão entre os componentes do concreto.

É importante observar a densidade da armadura antes de lançar o concreto. Quanto mais densa ela for, maior deve ser o grau de plasticidade da mistura para evitar vazios posteriores. Fonte: Shutterstock

Quando a ligação entre os grãos dos agregados é mais frágil, a segregação pode acontecer durante o transporte, lançamento (devido a movimentos bruscos) ou adensamento (se houver vibração excessiva). A própria ação da gravidade é capaz de fazer com que os grãos mais pesados desçam para o fundo das fôrmas.

Massas com agregados de menor dimensão, normalmente, são pouco ásperas e muito coesivas, tendo, portanto, alta plasticidade. De modo geral, quanto mais densa for a armadura e mais próximas estiverem as paredes das fôrmas, maior deve ser o grau de plasticidade da mistura para que não apareçam vazios na peça depois de concretada.

Poder de retenção de água

Na construção civil, essa propriedade é exatamente o oposto da exsudação, que acontece quando a água sobe à superfície do concreto fresco após o lançamento e o adensamento, mas antes da pega.

Esse fenômeno geralmente ocorre em misturas com pequena porcentagem de agregados finos, água em excesso ou pouco cimento. Cura incorreta e vibração demais ou de menos também contribuem para o problema.

Logo, se o objetivo é obter um concreto com poder de retenção de água, é preciso controlar a exsudação ou o material ficará poroso e pouco resistente.

Considerando que cada obra demanda um concreto fresco com características específicas, é necessário cuidado no momento de definir quais os graus mais apropriados de consistência, trabalhabilidade, plasticidade e retenção de água. Gostou do artigo? Conte pra gente nos comentários a sua experiência com o concreto fresco!