Cimento 5/04/2018  

Histórias de sucesso de empresas de materiais de construção

Empresas de materiais de construção comercializam desde itens básicos utilizados nas obras, como cal, cimento e brita, até produtos para acabamento, como tintas, porcelanatos e cerâmicas. Dados divulgados em 2018 pela Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) apontam crescimento no setor de materiais de construção. O varejo encerrou o ano de 2017 com crescimento real de 6% em relação ao ano anterior e um faturamento de R$ 114,5 bilhões. A expectativa para 2018, com o aumento da confiança do consumidor e do otimismo do lojistas, é de um resultado ainda melhor. Com foco nessas estatísticas, conversamos com dois empreendedores de sucesso desse ramo para descobrir o que eles aprenderam com o tempo e como fizeram suas empresas crescerem.

Empresas de materiais de construção: Duas Irmãs

Cleidimar Marins, 40 anos, conhecida como Cleidi, é uma das proprietárias da empresa Duas Irmãs Materiais de Construção, que completou 27 anos de existência em 2017. Localizada na cidade de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro, a companhia tem raízes bem familiares.

Tudo começou como um pequeno negócio fundado em setembro de 1990 por Clebio Marques e Joselma Marins, pais de Cleidi. Nessa época, a empresária tinha 13 anos de idade e cursava o ensino médio, mas já vivenciava o dia a dia comum a empresas de materiais de construção. Esse foi seu primeiro contato com o setor, atendendo clientes no balcão, cuidando de alguns processos da parte administrativa e absorvendo informações sobre os diferentes tipos de mercadorias que eram vendidas.

Em 1997, após o falecimento de seu pai, Cleidi decidiu assumir a empresa ao lado da irmã, Josiane. Ser empreendedora não estava exatamente nos seus planos, e ela precisou correr atrás de muita informação para se aperfeiçoar na área.

A prática não era um problema porque Cleidi já tinha acumulado uma boa experiência em relação aos produtos e fornecedores. Porém, a parte da gestão ainda precisava ser dominada. Cursos e oportunidades do Sebrae, como o seminário Empretec, desenvolvido pela Organização das Nações Unidas, além do diploma em Administração pela Universidade Estácio de Sá, ajudaram nesse sentido e serviram como base para a carreira empresarial de Cleidi.

Fachada da loja de materiais de construção Duas Irmãs, localizada na cidade de Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro. Foto: Cleidimar Marins.

“O começo não foi nada fácil. Vinte anos atrás não haviam mulheres no ramo da construção civil. Era uma raridade. Por isso, foi complicado conquistar a confiança de todos os fornecedores e clientes. Eu tinha apenas 21 anos quando dei continuidade ao negócio do meu pai, mas não quis desfazer a empresa porque era um sonho dele, que veio do interior para o Rio de Janeiro e trabalhou no início como trocador de ônibus.”, relembra.

Segundo Cleidi, a crise da construção civil foi sentida com mais intensidade no Estado do Rio de Janeiro e representa a maior dificuldade no momento para as empresas. Ela precisou reduzir alguns custos e cortar aquilo que não era inteiramente necessário para manter o faturamento da Duas Irmãs. Buscou novas estratégias para se reinventar e aumentar as vendas, por meio de boas negociações. Além disso, preparou os 50 colaboradores que fazem parte da equipe para as mudanças que iriam acontecer, para passar o máximo de otimismo possível.

Hoje, Cleidi divide as tarefas na loja com a irmã – enquanto ela cuida da gestão e controla as contas da empresa, acompanhando seu desenvolvimento, Josiane fica com a parte burocrática e de precificação. “É uma relação de igualdade na empresa. Não temos problemas com isso. Começamos juntas, então passamos pelas mesmas dificuldades. Às vezes, basta uma pensar em algo que a outra diz exatamente a mesma coisa logo em seguida. É uma conexão muito intensa”, finaliza.

Empresas de materiais de construção: Pátria Unida

Fachada da empresa de materiais de construção Pátria Unida, localizada na cidade de Mesquita, na cidade do Rio de Janeiro. Foto: Angela Barbosa.

Seguindo a linha dos negócios familiares, a Pátria Unida Materiais de Construção tem como diretor Fernando Barbosa, 34 anos. Fundada em 1989 por seu pai (também chamado Fernando Barbosa) e o sócio Osmar Gonçalves, a empresa tem sede em Mesquita, no Rio de Janeiro.
Assim como Cleidi, Fernando teve seu primeiro contato com o setor da construção civil bem cedo. Na infância e na adolescência, já auxiliava o pai em atividades simples, vendendo produtos para pequenos comerciantes. Além disso, garantia a limpeza do estabelecimento, entregava mercadorias e buscava materiais nas próprias fábricas, já que naquela época não existiam centros de distribuição.

Depois de se formar em Administração, Fernando buscou outras oportunidades, mas sempre focando em trabalhar como empreendedor. Passou por grandes organizações, como Coca-Cola e Ambev, aprendendo tudo o que podia sobre gestão. Há cinco anos, retornou ao ramo de empresas de materiais de construção, na Pátria Unida: “Devido à idade do meu pai, que já está com 67 anos, resolvi dar continuidade a esse projeto que ele começou. Já é uma empresa bem tradicional aqui na região”.

A partir daí, Fernando enfrentou um grande desafio: reinventar e modernizar a loja. A relação convencional entre clientes e vendedores separados por um balcão foi substituída pelo atendimento assistido, em que os consumidores têm autonomia para escolher as mercadorias e há um contato mais direto com a equipe da empresa.

“Informatizamos toda a loja, que hoje conta com 50 colaboradores, e mudamos seu conceito. Demos uma cara nova para a companhia. Antes vendíamos mais para os profissionais técnicos das obras, agora atendemos também o consumidor final. Fizemos uma segmentação maior dos produtos e nos preocupamos com a forma como eles eram expostos. Tudo isso para ter um posicionamento de qualidade no mercado”, conta.

Apesar de todas as mudanças para modernizar a loja, Fernando também foi afetado pela crise que o país está passando, e a Pátria Unida precisou se reinventar novamente. Alguns custos foram reduzidos e outros, inevitavelmente, cortados. Segundo ele, o segredo para que o faturamento permaneça forte é viver um dia de cada vez, administrando os ajustes financeiros com calma. Ele revela que possui alguns projetos de expansão da empresa em mente, mas para isso o cenário econômico precisa estar um pouco mais favorável.

Para Fernando, todo o mérito da trajetória de 28 anos da Pátria Unida é de seu pai e do sócio Osmar. “Os dois são muito importantes por tudo o que me ensinaram e por todo o apoio que eles dão até hoje na empresa. Principalmente meu pai, que é um grande amigo”, conclui.

Há diversos desafios para quem decide gerir empresas de materiais de construção, mas, com uma boa dose de esforço e dedicação, o caminho para o sucesso encurta. Esse é o seu caso? Compartilhe sua história com a gente nos comentários.