Reforma e Construção 14/07/2017  

Orçamento da obra: dicas para não errar no financeiro

Antes de começar a construir ou reformar, é importante fazer o orçamento da obra para ter controle dos custos e prazos. Confira nossas dicas!

O início de uma construção civil ou reforma é um momento que exige muito planejamento. Desde o proprietário até os profissionais da obra, é importante que todos tenham noção dos gastos para elaborar, revisar e gerir o cronograma. Daí a necessidade de estar com o orçamento da obra na ponta do lápis.

Controle

Para que o planejamento financeiro entre em prática, uma boa planilha pode ser a solução. Na hora de começar, é importante frisar:

  • quais serviços serão feitos;
  • o material de construção necessário;
  • a mão de obra prevista.

Essas informações devem ser calculadas com base na área da obra (em m²), no número de cômodos, no tipo, na qualidade e quantidade de materiais que vão ser utilizados e em quais especialistas serão necessários contratar para a construção (arquiteto, engenheiro, pedreiro, pintor etc).

Com a primeira lista à mão, a planilha deve ser dividida em duas partes:

  • Previsão de custos: aqui você vai detalhar a previsão dos custos e orçamentos da obra;
  • Custos efetivos para acompanhar e controlar o tempo todo os custos da obra, pagamentos, entradas, pedidos, gastos extras etc.

De nada adianta ter o planejamento de uma obra no papel sem ter à mão os recursos para fazer ela acontecer. O primeiro passo, então, é saber quanto vai ser gasto na obra – essa é a previsão de custos que iniciará a planilha. Com o valor predeterminado, é hora de buscar os recursos.

Execução total

Se é uma obra grande e corrida, que será executada sem intervalos, é preciso ter um percentual inicial à mão. Normalmente, calcula-se que 25% do valor deve estar disponível já no início. O restante vai ser levantado à medida que a obra for evoluindo. Já no caso de uma pequena reforma, o valor total deve estar disponível antes do início do trabalho.

Execução em etapas

Se a obra for feita em etapas, o valor também pode seguir essa lógica. Tenha em caixa pelo menos 75% do valor de cada fase para que o restante seja levantado ao longo da construção. A cada reinício da obra, siga essa mesma estratégia.

Financiamento

Os financiamentos são boas opções para as obras – normalmente os bancos e até o governo oferecem planos bem atraentes. Mas para conseguir esse tipo de empréstimo, você precisa ter à mão, pelo menos, o valor correspondente à 1ª etapa da construção, que normalmente engloba a parte de projetos, aprovações, infraestrutura básica, fundação, alvenaria e estrutura, pois o primeiro repasse de financiamento ocorre somente quando a fase inicial está concluída.

Imprevistos no orçamento da obra

Em uma obra, imprevistos acontecem (e não são poucos!). Por isso, coloque em seu orçamento 20% a mais do valor estipulado inicialmente para casos como:

  • empreiteira ou pedreiro orçar um valor e cobrar outro;
  • preço do material aumentar devido à diferença de tempo entre o orçamento e a compra ou pela necessidade de trocar de marca ou produto;
  • substituição de profissionais da obra.

Por fim, não deixe que nada saia do controle: anote tudo e só faça o que você tiver condições de bancar. Com o orçamento da obra feito, ficará bem mais fácil cuidar da parte financeira da sua construção!

Esperamos que nossas dicas possam ajudar você. Se tiver alguma dúvida, deixe seu comentário que o Cimento Mauá responde.